Revista de Indias, Vol 75, No 265 (2015)

O capital mercantil no centro da América do Sul e as fronteiras do comércio na América colonial (primeira metade do século XVIII)


https://doi.org/10.3989/revindias.2015.021

Tiago Kramer De Oliveira
Universidade Federal de Santa Catarina, Portugal

Resumen


Este artículo examina la reproducción de la economía colonial en el centro de América del Sur, en la Vila Real do Senhor Bom Jesus de Cuiabá. A través de las distintas fuentes consultadas investigamos cómo la dinámica de la economía local se relacionó con cambios en contextos más amplios, en la primera mitad del siglo XVIII. Nuestro objetivo es dar a conocer cómo las dinámicas locales estaban relacionadas con las “fronteras del comercio” y la consiguiente expansión de explotación comercial en los interiores de Iberoamérica Colonial.

[pt] Este artigo analisa a reprodução da economia colonial no centro da América do Sul, no «termo» da Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá. Consultando diversas tipologias documentais, investigamos como a dinâmica da economia local estava ligada a mudanças que ocorriam em contextos mais amplos, na primeira metade do século XVIII. Nosso objetivo é colocar em evidência a forma como as dinâmicas locais estavam relacionadas às «fronteiras do comércio» e a consequente expansão da exploração mercantil nos interiores da Ibero-América Colonial.

Palabras clave


Brasil; América do Sul; comércio colonial; economia colonial; século XVIII; fronteiras; Brasil; América del Sur; comercio colonial; economía colonial; siglo XVIII; fronteras

Texto completo:


PDF

Referencias


Almeida, André Ferrand, “A viagem de José Gonçalves da Fonseca e a cartografia do rio Madeira (1749-1752)”, Anais do Museu Paulista, XVII/2 (São Paulo, 2009): 215-235.

Alves, Maurício M., Caminhos da pobreza: a manutenção da diferença em Taubaté (1680-1729), Taubaté/SP, Prefeitura Municipal de Taubaté, 1998.

Ameghino, Eduardo Azcuy e Birocco, Carlos María, “As colônias do Rio da Prata e o Brasil: geopolítica, poder, economia e sociedade”, Amado Luiz Cervo e Mario Rapoport (orgs.), História do Cone Sul, Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1998: 11-76.

Arruda, José Jobson de A., O Brasil no comércio colonial, São Paulo, Editora Ática, 1980.

Assadourian, Carlos Sempat, El sistema de la economía colonial, Mercado interno, regiones y espacio económico, Lima, IEP, 1982.

Bastos, Uacury Ribeiro Assis, “Expansão territorial do Brasil Colônia no Vale do Paraguai (1767-1801)”, Tese de Doutorado, São Paulo, USP, 1972.

Blaj, Ilana, A trama das tensões: o processo de mercantilização de São Paulo colonial (1681-1721), São Paulo, Humanitas/FAPESP, 2002.

Bethencourt, Francisco, “Political configurations and local powers”, Francisco Bethencourt e Diogo Ramada Curto (orgs.), Portuguese Oceanic Expansion, 1400-1800, Nova York, Cambridge University Press, 2007: 197-254.

Braudel, Fernand, Civilização Material, Economia e Capitalismo século XV- XVIII, V. II, São Paulo, Martins Fontes, 2005.

Bonialian, Mariano, “México, epicentro semiinformal del comercio hispano-americano (1680-1740)”, América Latina en la Historia Económica, XXXV (México D.F., 2011): 7-28.

Borrego, Maria A. M, “A Teia mercantil: negócios e poderes em São Paulo colonial (1711-1765)”, Tese de Doutorado, São Paulo, USP, 2006.

Brading, David A, Mineros e comerciantes en el México borbónico (1763-1808), Tradução de Roberto Gomes de Ciriza, Madri, FCE, 1975.

Canabrava, Alice P., O comércio português no Rio da Prata (1580-1640), Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1984.

Canavarros, Otávio, O poder metropolitano em Cuiabá (1727-1752), Cuiabá, Edufmt, 2004.

Cardoso, Ciro F. S., Agricultura, escravidão e capitalismo, Petrópolis, Vozes, 1979.

Cardoso, Ciro F. S., Escravo ou camponês? O protocampesinato negro nas Américas, São Paulo, Brasiliense, 1987.

Carrara, Angelo Alves, Minas e currais, Produção rural e mercado interno de Minas Gerais, 1674-1807, Juiz de Fora, Editora da UFJF, 2007.

Ceballos, Rodrigo, “Extralegalidade e Autotransformação no porto: a presença portuguesa na Bueno Aires Colonial (Século XVIII)”, Territórios e Fronteiras, I/2 (Cuiabá, 2008): 300-317.

Chaves, Otávio Ribeiro, “Politica de Povoamento e a Constituição da Fronteira Oeste do Império Português: a Capitania de Mato Grosso na segunda metade do século XVIII”, Tese de doutorado, Curitiba, UFPR, 2009.

Cortesão, Jaime, Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madri, Rio de Janeiro, Instituto Rio Branco, 2001.

Davidson, David M., “How the brazilian west was won: freelance & state on the Mato Grosso frontier, 1737-1752”, Dauril Alden (org.), Colonial roots of modern Brazil, Berkeley, University of Califórnia, 1973: 61-106.

Donoso Anes, Rafael, “Un análisis sucinto del Asiento de esclavos con Inglaterra (1713-1750) y el papel desempeñado por la contabilidad en su desarrollo”, Anuario de Estudios Americanos, LXIV/2 (Sevilla, 2007): 105-144.

Ferreira, Mario C., “Cartografar o sertão: a representação de Mato Grosso no século XVIII”, Anais II Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica, Lisboa, Instituto Geográfico Português, 2007: 1-20.

Florentino, Manolo e Fragoso, João, O arcaísmo como projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil em uma economia colonial tardia: Rio de Janeiro, c. 1790- c. 1840, Rio de Janeiro, Sette Letras, 1998.

Flory, Rae Jean Dell e SMITH, David Grant, “Bahian merchants and the planters in the seventeenth and early eighteenth centuries”, Hispanic American Historical Review, LVIII/4 (Durham, 1978): 571-594.

Fragoso, João, Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830), Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1998.

Garcia, João Carlos (coord.), A mais dilatada vista do mundo: inventário da coleção cartográfica da Casa da Ínsua, Portugal, CNCDP, 2000.

Ginzburg. Carlo, O queijo e os vermes. O cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição, Tradução Maria Betânia Amoroso, São Paulo, Cia. das Letras, 1989.

Ginzburg, Carlo, Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e História, Tradução de Frederico Carotti, São Paulo, Cia das Letras, 1990.

Gomes, Masília Aparecida da Silva, “Os ‘gêneros do país’: a produção de alimentos em Vila Bela da Santíssima Trindade (1748-1790)”, Leny Caselli Anzai e Maria Cristina Bohn Martins (orgs.), Histórias coloniais em áreas de fronteiras: índios, jesuítas e colonos, São Leopoldo/Cuiabá, Oikos/Unisinos/Edufmt, 2008: 99-125.

Holanda, Sérgio Buarque de, Monções, São Paulo, Brasiliense, 1990.

Holanda, Sérgio Buarque de, Caminhos e fronteiras, São Paulo, Cia. das Letras, 1994.

Jesus, Nauk Maria, “Na trama dos conflitos: a administração na fronteira oeste da América portuguesa (1719-1778)”, Tese de Doutorado, Niterói, UFF, 2006.

Levi, Giovanni. A herança imaterial: trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII. Tradução Cynthia Marques de Oliveira, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2000.

Lucidio, João Antonio Botelho, A Vila Bela e a ocupação portuguesa do Guaporé no século XVIII, Projeto Fronteira Ocidental Arqueologia e História –Vila Bela da Santíssima Trindade / MT. Relatório final, Fase 2, Cuiabá, Governo de Mato Grosso/Secretaria de Estado de Cultura/ Coordenadoria de Preservação do Patrimônio Cultural, Histórico, Artístico e Arqueológico Odir Burity, 2004.

Macleod, Murdo J., “Espanha e América: o comércio atlântico, 1492-1720”, Leslie Bethell (org.) História da América Latina, América Latina Colonial, v. 1, Tradução Maria Clara Cescato, São Paulo/Brasília, Edusp/Funag, 1997.

Mello, Evaldo Cabral de, A fronda dos mazombos, nobres contra mascates: Pernambuco 1666-1715, São Paulo, Cia das Letras, 1995.

Miller, Joseph C., “Capitalism and Slavery: the financial and commercial organization of the Angolan Slave Trade, according to the accounts of Antonio Coelho Guerreiro (1684-1692)”. International Journal of African Historical Studies, 17/1 (Boston, 1984): 1-15.

Moutoukias, Zacarías, “Burocracia, contrabando y autotransformación de las elites: Buenos Aires en el siglo XVII”, Anuario del IEHS, III (Buenos Aires, 1988): 213-248.

Novais, Fernando A., Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808), São Paulo, Hucitec, 1986.

Oliveira, Tiago Kramer de, “Entre dois impérios: conquistas portuguesas e ruralidade no centro da América do Sul (1716-1750)”, Leny Caselli Anzai e Maria Cristina Bohn Martins (orgs.), Histórias coloniais em áreas de fronteiras: índios, jesuítas e colonos, São Leopoldo/Cuiabá, Oikos/Unisinos/Edufmt, 2008: 17-49.

Oliveira, Tiago Kramer de, “A paisagem do Pantanal e a ruralidade nas Minas do Cuiabá (primeira metade do século XVIII)”, Revista de História, 164 (São Paulo, 2011): 161-194.

Parrón Salas, Carmen, “El nacionalismo emergente y el comercio, La expulsión de extranjeros de América (Perú), 1750-1778”, Actas del XI Congreso de la Asociación de Historiadores Latinoamericanistas Europeos, Liverpool, Universidad de Liverpool, 1996: 200-218.

Parrón Salas, Carmen, “Perú y la transición del comercio político al comercio libre, 1740-1778”, Annuario de Estudios Americanos, LIV/2 (Sevilla, 1997): 447-473.

Prado Júnior, Caio, Formação do Brasil Contemporâneo –colônia, São Paulo, Brasiliense, 1997.

Prado, Fabrício, Colônia de sacramento: o extremo sul da América portuguesa no século XVIII, Porto Alegre, F. P. Prado, 2002.

Prado, Fabricio, “Colônia de Sacramento: a situação na fronteira platina no século XVIII”, Horizontes Antropológicos, 19 (Porto Alegre, 2003): 74-104.

Presotti, Thereza Martha, “Na Trilha das Águas: Índios e Natureza na conquista colonial do centro da América do Sul, sertões e minas do Cuiabá e mato Grosso, século XVIII (1718-1752)”, Tese de Doutorado, Brasília, UNB, 2008.

Revel, Jacques (org.), Jogos de escalas: a experiência da microanálise, Tradução Dora Rocha, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1998.

Rodrigues, Nathalia M. D., “A capitania de Mato Grosso e a Companhia Geral de Comércio do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778)”, Leny Caselli Anzai e Maria Cristina Bohn Martins (orgs.), Histórias coloniais em áreas de fronteiras: índios, jesuítas e colonos, São Leopoldo/Cuiabá, Oikos/Unisinos/Edufmt, 2008: 126-158.

Rosa, Carlos Alberto, “O urbano colonial na terra da conquista”, Carlos Alberto Rosa e Maria de Jesus Nauk, A terra da conquista: história de Mato Grosso Colonial, Cuiabá, Adriana, 2003: 11-64.

Sampaio, Antonio Carlos Jucá de, Na encruzilhada do Império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c. 1650-c.1750), Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2001.

Schwartz, Stuart B., “Mentalidades e estruturas sociais no Brasil colonial: uma resenha coletiva”, Economia e Sociedade, XIII (Campinas, 1999): 129-153.

Taunay, Affonso de E., História das Bandeiras Paulistas: relatos monçoeiros, Tomo III, Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1981.

Thompson, Edward P., Senhores e caçadores: a origem da lei negra, Tradução Denise Bottmann, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

Volpato, Luiza Rios Ricci, A conquista da terra no universo da pobreza: formação da fronteira oeste do Brasil, São Paulo, HUCITEC, 1987.




Copyright (c) 2015 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista revindias.cchs@cchs.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es