Revista de Indias, Vol 79, No 276 (2019)

Missionários, índios e sociedade colonial no nordeste da Bahia: Natuba, séculos XVII e XVIII


https://doi.org/10.3989/revindias.2019.010

Evergton Sales Souza
Universidade Federal da Bahia/CNPq, Brasil
orcid http://orcid.org/0000-0001-7466-6276

Resumen


El artículo examina aspectos de la conquista y población del noreste de Bahía, centrando la atención en el papel del indio en la ocupación colonial de nuevos espacios. Se toma la aldea de Natuba como la principal referencia para el estudio del contexto de la violencia que marca el avance de la sociedad colonial en la región. Tras estudiar el problema de la demarcación de tierras, que afectaba a indios, misioneros, gobierno y colonos, se muestra cómo la aldea misionera tendía a ser un espacio menos inestable, porque permitía a los indígenas avanzar por una senda de reconfiguración propicia a mantener su identidad, bajo la influencia de la tradición católica vivida en el noreste de Bahía.

[pt] O artigo estuda aspectos da conquista e povoamento do nordeste da Bahia, privilegiando o olhar sobre o lugar dos índios na ocupação colonial de novos espaços. A aldeia de Natuba foi tomada como a principal referência para o estudo do contexto de violência que marca o avanço da sociedade colonial na região. Após examinar o problema da demarcação de terras, que envolve índios, missionários, governo e colonos, mostra-se como a aldeia missionária tendeu a ser um espaço menos instável, permitindo aos indígenas trilharem um caminho de reconfigurações que ajudou a manter sua identidade e influenciar o catolicismo vivido no nordeste baiano.

Palabras clave


Brasil colonial; indios; sociedad colonial; misioneros; Brasil colonial; índios; sociedade colonial; missionários

Texto completo:


PDF

Referencias


Almeida, Maria Regina Celestino de, Os Índios Aldeados no Rio de Janeiro Colonial, Campinas, IFCH-Unicamp, 2000. Tese doutorado.

Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Officinas Graphicas da Bibiliotheca Nacional, 1909, vol. XXXI.

Annaes do Parlamento Brazileiro: Câmara dos Srs. Deputados, Rio de Janeiro, Tipographia do Imperial Instituto Artistico, 1875, vol. 3, partes 1-3.

Arenz, Karl Heinz e Silva, Zady Alberto da, “A murta murchando: o discurso jesuítico acerca dos índios aldeados na Amazônia Portuguesa (1653-1759)”, Revista Ultramares, 5/1 (Maceió, Jan-Jul 2014): 27-54.

Bandeira, Maria de Lourdes, Os kariris de Mirandela: um grupo indígena integrado, Salvador, UFBA, 1972.

Barros, Francisco Borges de, Bandeirantes e sertanistas bahianos, Salvador, Imprensa Oficial do Estado, 1919.

Brasileiro, Sheila e Sampaio, José Augusto L., “Estratégias de negociação e recomposição territorial Kiriri”, Maria Rosário G. Carvalho e Ana Magda Carvalho (orgs.), Índios e caboclos: a história recontada, Salvador, EDUFBA, 2012: 147-166.

Calmon, Pedro, História do Brasil, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio, 1959.

Dantas, Beatriz G., Sampaio, José Augusto L. e Carvalho, Maria Rosário G. de, “Os povos Indígenas no Nordeste Brasileiro. Um esboço histórico”, Manuela Carneiro da Cunha (org.), História dos índios no Brasil, São Paulo, Companhia das Letras, 1992: 431-456.

Dantas, Mônica Duarte, Fronteiras movediças: a comarca de Itapicuru e a formação do arraial de Canudos, São Paulo, Hucitec/FAPESP, 2007.

Documentos Históricos, Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, Departamento Nacional do Livro, 1928.

Leite, Serafim, História da Companhia de Jesus no Brasil, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional do Livro, 1945, tomo V.

Lisboa, Balthazar da Silva, Annaes do Rio de Janeiro, contendo a descoberta e conquista deste paiz, a fundação da cidade com a história civil e ecclesiastica, até a chegada d’El-Rei Dom João VI; além de notícias topográficas, zoológicas e botânicas, Rio de Janeiro, Na Typ. Imp. E Const. De Seignot-Plancher e Cia., 1835, vol. VI.

Mamiani della Rovere, Luigi Vincenzo, Catecismo da doutrina christãa na lingua brasilica da nação kiriri, Lisboa, Na Officina de Miguel Deslandes, 1698.

Marques, Guida, “Do índio gentio ao gentio bárbaro: usos e deslizes da Guerra Justa na Bahia seiscentista”, Revista de História, 171 (São Paulo, dez. 2014): 15-48, disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/89006/91925. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2014.89006

Monteiro, John M., Tupis, tapuias e historiadores. Estudos de História Indígena e do indigenismo, Campinas, Unicamp, 2001. Tese Livre Docência em Etnologia/História Indígena e do Indigenismo.

Nantes, Martin de, Relação de uma Missão no Rio São Francisco. Relação sucinta e sincera da missão do padre Martinho de Nantes, pregador capuchinho, missionário apostólico no Brasil entre os índios chamados cariris, Rio de Janeiro, Companhia Editora Nacional/MEC, 1979.

Pompa, Cristina, Religião como tradução. Missionários, Tupi e Tapuia no Brasil colonial, Bauru, Edusc, 2003a.

Pompa, Cristina, “Cartas do Sertão: a catequese entre os Kariri no século XVII”, Revista Anthropológicas, 7/14-1 e 2 (Recife, 2003b): 7-33.

Pompa, Cristina, “História de um desaparecimento anunciado: as aldeias missionárias do São Francisco, séculos XVIII-XIX”, João Pacheco de Oliveira (org.), A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória, Rio de Janeiro, Contra Capa, 2011: 267-292.

Puntoni, Pedro, A Guerra dos Bárbaros: povos indígenas e a colonização do sertão nordeste do Brasil, 1650-1720, São Paulo, Hucitec, 2002.

Rego, André A., Trajetórias de vidas rotas: terra, trabalho e identidade indígena na província da Bahia (1822-1862), Salvador, PPGH-UFBA, 2014. Tese doutorado em História.

Rego, André A., “Legislação fundiária e extinção de aldeamentos na Bahia durante o período imperial”, Fabrício L. Santos (org.), Os índios na história da Bahia, Cruz das Almas, EDUFRB/Belo Horizonte, Fino Traço, 2016: 85-98.

Resende, Maria Leonia Chaves de, Gentios brasilicos: indios coloniais em Minas Gerais setecentista, Campinas, IFCH-Unicamp, 2003. Tese doutorado.

Salvado, João Paulo e Miranda, Susana M. (eds.), Cartas do Iº Conde da Torre, s.l., Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses/Centro de História e Documentação Diplomática, MRE, 2001, vol. I.

Santos, Fabrício Lyrio dos, Da catequese à civilização. Colonização e povos indígenas na Bahia, Cruz das Almas, EDUFRB, 2014.

Santos, Márcio R. Alves dos, Rios e fronteiras. Conquista e ocupação do sertão baiano, São Paulo, Edusp, 2017.

Santos, Solon Natalício Araújo dos, Conquista e Resistência dos Payayá no Sertão das Jacobinas: Tapuias, Tupi, colonos e missionários (1651-1706), Salvador, Universidade Federal da Bahia, 2011. Dissertação mestrado em História.

Silva, Cândido da Costa e, Roteiro da vida e da morte: um estudo do catolicismo no sertão da Bahia, São Paulo, Ed. Ática, 1982.

Silva, Ignacio Accioli de Cerqueira e, Memorias historicas e politicas da provincia da Bahia. Annotado por Dr. Braz do Amaral, Bahia, Imprensa Official do Estado, 1919.

Silva, José Justino de Andrade e (comp. e anot.), Collecção Chronologica da Legislação Portugueza, Lisboa, Imprensa de J. J. A. Silva, 1854.

Souza, Jorge Bruno Sales, Fazendo a diferença um estudo da etnicidade entre os Kaimbé de Massacará, Salvador, Universidade Federal da Bahia, 1996. Dissertação mestrado em Sociologia.

Viveiros de Castro, Eduardo, A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia, São Paulo, Cosac & Naify, 2002.




Copyright (c) 2019 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista revindias.cchs@cchs.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es