Revista de Indias, Vol 71, No 251 (2011)

Fontes censitárias brasileiras e posse de cativos na década de 1870


https://doi.org/10.3989/revindias.2011.009

Renato Leite Marcondes
Universidade de São Paulo, Brasil

Resumen


Existe un conjunto expresivo de fuentes de carácter censal para el estudio de la esclavitud en la década de 1870 en Brasil. Estas fuentes derivan, principalmente, de la matrícula de los esclavos determinada por la Ley de Vientre Libre de 1871. En este artículo discutimos las diferentes formas de presentación de las informaciones de la matrícula. Analizamos una muestra de la población esclava matriculada, comprendiendo 69 localidades de diferentes partes del país que totalizan poco más de 112.000 esclavos y 25.000 esclavistas. Al caracterizar el perfil demográfico de los esclavos de nuestra muestra, comprobamos la propiedad de esclavos.

[pt] Existe um conjunto expressivo de fontes de caráter censitário para o estudo da escravidão da década de 1870. Estas fontes derivam, principalmente, da matrícula dos escravos determinada pela Lei do Ventre Livre de 1871. Neste artigo discutimos as diferentes formas de apresentação das informações da matrícula. Analisamos uma amostra da população escrava matriculada, compreendendo 69 localidades de diferentes partes do país que totalizam pouco mais de 112 mil escravos e 25 mil escravistas. Além caracterizar o perfil demográfico dos escravos da amostra, verificamos a posse de cativos.

Palabras clave


Censo; esclavitud; demografía; propiedad esclava; Ley de Vientre Libre; Matrícula; escravidão; demografia; posse cativa; Lei do Ventre Livre

Texto completo:


PDF

Referencias


Alves, Maurício Martins, Forjando igualdades na diferença: socialização parental entre cativos em Taubaté, 1680-1848, Tese (Doutorado em História), IFCS/UFRJ, 2001.

Andreoni, João Antônio, Cultura e opulência do Brasil, 3.ª ed., Belo Horizonte, Itatiaia/ Edusp, 1982.

Barbosa, Rui, Emancipação dos escravos: o projeto Dantas (dos sexagenários) e o parecer que o justifica, Rio de Janeiro, Casa de Rui Barbosa, 1988.

Barickman, Bert J., Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

Castro, Hebe Maria da Costa Mattos Gomes de & Eduardo Schnoor, Resgate: uma janela para o oitocentos, Rio de Janeiro, Topbooks, 1995.

Costa, Iraci del Nero da, Arraia-miuda: um estudo sobre os não-proprietários de escravos no Brasil, Belo Horizonte, MGSP, 1992.

Costa, Iraci del Nero da & Nelson Hideiki Nozoe, «Elementos da estrutura de posse de escravos em Lorena no alvorecer do século XIX», Estudos Econômicos, v. 19, n. 2 (São Paulo, mai./ago., 1989): 319-345.

Diretoria Geral de Estatística (DGE), Recenseamento Geral do Império de 1872, Rio de Janeiro, Typ. Leuzinger/Tip. Commercial, 1876, 12 volumes.

Falci, Miridan Britto Knox, Escravos do sertão: demografia, trabalho e relações sociais, Teresina, Fundação Cultural Monsenhor Chaves, 1995.

Frank, Zephyr L, «Padrões de riqueza no Sudeste do Brasil: 1815-1860», História Econômica & História de Empresas, vol. IX, n. 2 (São Paulo, jul./dez 2006): 5-48.

Freyre, Gilberto, Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal, São Paulo, Círculo do Livro, 1986.

Funes, Eurípides Antônio, Goiás 1800-1850: um período de transição da mineração à agropecuária, Goiânia, Ed. da Universidade Federal de Goiás, 1986.

Furtado, Celso M, Formação Econômica do Brasil, 27.ª ed., São Paulo, Companhia Editora Nacional/Publifolha, 2000.

Galliza, Diana Soares de, O declínio da escravidão na Paraíba (1850-1888), João Pessoa, Universitária/UFPb, 1979.

Graf, Márcia Elisa de Campos, População escrava da província do Paraná: a partir das listas de classificação para emancipação, 1873 e 1886, Dissertação (Mestrado em História), SCHLA/UFPR, 1974.

Graham, Richard, «Escravidão e desenvolvimento econômico: Brasil e Sul dos Estados Unidos no século XIX», Estudos Econômicos, 13/1 (São Paulo, jan./mar. 1983): 223-257.

Holanda, Sérgio Buarque de, Raízes do Brasil, 26.ª ed., Rio de Janeiro, Editora José Olympio, 1994.

Kühn, Fábio, Capítulos de História do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2004.

Kühn, Fábio, Gente da fronteira: família, sociedade e poder no sul da América Portuguesa - século XVIII, Tese (Doutorado em História), ICHF/UFF, 2006.

Luna, Francisco Vidal, Minas Gerais: escravos e senhores - análise da estrutura populacional e econômica de alguns centros mineratórios (1718-1804), São Paulo, IPE-USP, 1981.

Luna, Francisco Vidal & Hebert S. Klein, «Slave economy and Society in Minas Gerais and São Paulo, Brazil in 1830», Journal of Latin American Studies, 36/1 (Londres, fev. 2004): 1-28.

Marcílio, Maria Luiza, A cidade de São Paulo: povoamento e população 1750-1850 com base nos registros paroquiais e nos recenseamentos antigos, São Paulo, Pioneira/ Edusp, 1974.

Marcondes, Renato Leite, «Posse de Cativos no Interior do Maranhão (1848)», Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, 61 (Recife, 2005): 169-186.

Marcondes, Renato Leite, Diverso e desigual: o Brasil escravista na década de 1870, Ribeirão Preto, Funpec, 2009.

Mott, Luiz Roberto de Barros, Piauí colonial: população, economia e sociedade, Teresina, Projeto Petrônio Portella/Fundação Cultural do Estado do Piauí, 1985.

Motta, José Flávio, Corpos escravos, vontades livres: posse de cativos e família escrava em Bananal (1801-1829), São Paulo, Annablume/Fapesp, 1999.

Motta, José Flávio, «The historical demography of Brazil at the V centenary of its discovery», Ciência e Cultura: Journal of the Brazilian Association for the Advancement of Science, 51/5-6 (set./dec. 1999): 446-456.

Motta, José Flávio; Nelson Nozoe & Iraci del Nero da Costa, «Às vésperas da abolição - um estudo sobre a estrutura da posse de escravos em São Cristóvão (RJ), 1870», Estudos Econômicos, 24/1 (São Paulo, jan./mar. 2004): 157-213.

Nadalin, Sergio Odilon, História e demografia: elementos para um diálogo, Campinas, Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP), 2004.

Oliveira, João Alfredo Corrêa de, Relatório apresentado a Assembléia Geral Legislativa na 4.ª Sessão da 15.ª Legislatura pelo Ministro e Secretario de Estado dos Negócios do Império, Rio de Janeiro, Tipografia Nacional, 1875.

Paiva, Clotilde Andrade & Douglas Cole Libby, «Caminhos alternativos: escravidão e reprodução em Minas Gerais no século XIX», Estudos Econômicos, 25/2 (São Paulo, mai./ago. 1995): 203-233.

Paiva, Clotilde Andrade, População e economia nas Minas Gerais do século XIX, Tese (Doutorado em História), FFLCH/USP, 1996.

Passos Subrinho, Josué Modesto dos, «Escravos e senhores no crepúsculo do escravismo: Laranjeiras, província de Sergipe», Anais do XXV Encontro Nacional de Economia, ANPEC, v. 2 (Recife, 1997): 995-1014.

Pena, Eduardo Spiller, O jogo da face: a astúcia escrava frente aos senhores e à lei na Curitiba provincial, Curitiba, Aos quatro ventos, 1999.

Prado Jr., Caio, Formação do Brasil Contemporâneo (colônia), 17.ª ed., São Paulo, Brasiliense, 1981.

Schwartz, Stuart B, Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, São Paulo, Cia. das Letras/CNPq, 1988.

Slenes, Robert Wayne, «O que Rui Barbosa não queimou: novas fontes para o estudo da escravidão no século XIX», Estudos Econômicos, 13/1 (São Paulo, jan./abr. 1983): 117-149.

Slenes, Robert Wayne, «A formação da família escrava nas regiões de grande lavoura do Sudeste: Campinas um caso paradigmático no século XIX», População e Família, 1/1 (São Paulo, jan./jun. 1998): 9-82.

Valentin, Agnaldo, Nem Minas, nem São Paulo: economia e demografia na localidade paulista de Apiaí (1732-1835), Dissertação (Mestrado em História), FFLCH-USP, 2001.




Copyright (c) 2011 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista revindias.cchs@cchs.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es